Campanha salarial do carro-forte Nesta quarta (20), haverá negociação. Impasse pode levar à greve

148

Companheiro(a): na última rodada de negociações da nossa campanha salarial,
dia 13 de junho, os patrões não avançaram e falaram em reajuste de 3%, abaixo da inflação de 4,86%. O Sindicato e a Comissão de trabalhadores rejeitaram.

Nosso presidente João Passos adverte: “Os patrões estão empurrando a categoria para
uma greve”. Nossa pauta reivindica reposição do INPC/IBGE e aumento real de 7%.

Os representantes das empresas de carro-forte voltaram com o lengalenga de dificuldades na readequação dos contratos com os bancos, para endurecer a negociação de reajuste com aumento real.

Bancos – Eles alegam que os banqueiros estão reclamando de prejuízos com a queda de juros, mas isso é mera ladainha. Além de não reduzir as taxas no cheque especial, cartão de crédito etc., eles aumentaram tarifas para manter seus lucros.

Não vamos cair nesta conversa fiada. Desde sexta-feira (15), os diretores do SindForte estão distribuindo boletim na base, informando os trabalhadores que, por intransigência do sindicato patronal (Setvesp), as negociações estão emperradas.

Nova rodada – Nova negociação está marcada para 20 de junho, às 11 horas. Se não avançar, pediremos mesa-redonda na Superintendência do Trabalho (ex-DRT). Se os patrões não mudarem de postura, marcaremos data para parar em todo o Estado. Fique atento!