SindForte denuncia insegurança pública Dobra número de ataques a carro-forte no Estado

169

Ataques a carro-forte, arrastões em restaurantes, execução de policiais, avanço impressionante do crack.
Esse é o quadro real da insegurança pública no Estado mais rico da Federação. Nosso presidente João Passos denuncia: “A economia paulista é de Primeiro Mundo, mas a segurança do nosso povo é de Afeganistão!”

A imprensa tem mostrado a avalanche criminosa. O site G1, das Organizações Globo, informa que os ataques a carro-forte dobraram no Estado de São Paulo.

Recentes – Nos últimos dias, aumentou o número de ataques. Dois casos são gravíssimos:
Hortolândia – Dia 21 de junho, ataque a veículo da Prosegur, no Jardim Amanda 2. Na ação, os bandidos mataram um vigilante e feriram outro companheiro.

São Bernardo – Outro ataque, também gravíssimo, dia 23. Os bandidos mataram um vigilante e deixaram ferido, com gravidade, outro companheiro nosso.

Reivindicação – A onda de ataques coincide com a campanha salarial dos trabalhadores em transporte de valores no Estado. Uma das nossas reivindicações é incorporar ao salário o Adicional de Risco de Vida, de 30%, incidindo também nas férias e no 13º salário.

Paralisação – O SindForte negocia com os patrões a pauta da categoria. A proposta patronal é reajuste de 4%. E mais nada. Por não se tratar de proposta e sim de provocação, a categoria deve cruzar os braços em protesto, segunda, dia 2 de julho.

Contato – Fique ligado com o Sindicato. Na sede em São Paulo ou nas nossas nove subsedes no Interior.